Drogas, a intervenção médica mais comum, são parte importante da assistência médica para as pessoas maduras.

Sem drogas, muitas pessoas com mais de 60 anos teriam mais problemas ou apresentariam diminuição no tempo de vida.

Pessoas maduras tendem a tomar mais drogas do que as pessoas mais jovens, porque eles são mais propensos a ter mais de um transtorno médico crônico, como pressão arterial elevada, diabetes ou artrite.

A maioria das drogas usadas por pessoas maduras, para transtornos crônicos, são tomadas por anos.

Outras drogas podem ser tomadas por apenas um curto período de tempo para tratar problemas como infecções, alguns tipos de dor e constipação.

Entre as pessoas com 65 anos de idade ou mais, 90% tomam pelo menos 1 medicamento por semana, mais de 40% tomam pelo menos 5 medicamentos diferentes por semana e 12% tomam 10 ou mais medicamentos por semana.

As mulheres normalmente tomam mais drogas do que os homens.

As pessoas maduras que são frágeis, hospitalizados ou em uma casa de repouso tomam a maioria dos medicamentos.

Residentes de casa de repouso são prescritos uma média de 7 a 8 drogas diferentes para tomar diariamente.

As pessoas maduras, também, tomam muitos medicamentos sem prescrição, e muitos deles são, potencialmente, perigosos para elas.

Benefícios e riscos dos medicamentos

Muitas das melhorias na saúde e função dos idosos, durante as últimas décadas, podem ser atribuídas aos benefícios das drogas.

– Vacinas ajudam a prevenir muitas doenças infecciosas (como gripe e pneumonia) que uma vez matou muitas pessoas idosas.

Antibióticos são, muitas vezes, eficazes no tratamento da pneumonia e muitas outras infecções graves.

– Drogas para controlar a pressão arterial elevada (anti-hipertensivos) ajudam a prevenir acidentes vasculares cerebrais e ataques cardíacos.

Medicamentos hipoglicemiantes (insulina e outras drogas anti-hiperglicêmicas) permitem a milhões de pessoas com diabetes levarem vidas normais. Esses medicamentos também reduzem o risco de problemas oculares e renais que a diabetes pode causar.

– Drogas para controlar a dor (analgésicos) e outros sintomas permitem que milhões de pessoas com artrite continuem a funcionar.

No entanto, as drogas podem ter efeitos que não são pretendidos ou desejados (efeitos colaterais).

A partir dos 50 anos de vida, o risco de efeitos colaterais relacionados ao uso de drogas é aumentado.

As pessoas maduras são mais de 2 vezes mais suscetíveis aos efeitos colaterais das drogas comparado aos jovens.

Efeitos colaterais também são susceptíveis de serem mais graves, afetando a qualidade de vida e resultando em visitas ao médico e na hospitalização.

As pessoas maduras são mais suscetíveis aos efeitos colaterais das drogas por várias razões:

– Como as pessoas envelhecem, a quantidade de água no corpo diminui, e a quantidade de tecido adiposo aumenta. Assim, nos idosos, as drogas que se dissolvem na água atingem concentrações mais elevadas porque há menos água para diluí-las, e as drogas que se dissolvem na gordura acumulam-se mais porque há relativamente mais tecido adiposo para armazená-las.

– À medida que as pessoas envelhecem, os rins são menos capazes de excretar drogas na urina, e o fígado é menos capaz de quebrar (metabolizar) muitas drogas. Assim, os fármacos são menos facilmente removidos do corpo.

– Pessoas maduras, geralmente, tomam mais drogas e têm mais distúrbios.

– As pessoas que tomam uma quantidade maior de drogas têm um maior risco de interações medicamentosas .

– Menos estudos foram feitos em idosos para ajudar a identificar doses apropriadas de drogas.

– As pessoas maduras são mais propensas a terem doenças médicas crônicas que podem ser agravadas por drogas ou que podem afetar o modo como as drogas funcionam.

Devido a essas mudanças relacionadas à idade, muitas drogas tendem a permanecer no corpo de uma pessoa madura por muito mais tempo, prolongando o efeito da droga e aumentando o risco de efeitos colaterais.

Portanto, os idosos, muitas vezes, precisam tomar doses menores de certos medicamentos ou talvez menos doses diárias.

Por exemplo, a digoxina, uma droga usada às vezes para tratar determinados disturbios do coração, dissolve-se na água e é eliminada pelos rins. Como a quantidade de água no corpo diminui e os rins funcionam menos bem à medida que as pessoas envelhecem, as concentrações de digoxina no corpo podem aumentar, resultando em um risco maior de efeitos colaterais (como náuseas ou ritmos cardíacos anormais).

Para evitar este problema, os médicos podem usar uma dose menor. Às vezes, outras drogas podem ser utilizadas para substitui-la.

As pessoas maduras são mais sensíveis aos efeitos de muitas drogas.

Por exemplo, pessoas maduras tendem a tornar-se mais sonolentas e são mais propensas a tornarem-se confusas ao usar drogas ansiolíticas ou calmantes.

Algumas drogas que reduzem a pressão arterial tendem a diminuir a pressão arterial muito mais drasticamente em idosos do que em pessoas mais jovens.

Aumentos maiores na pressão arterial pode levar a efeitos colaterais como tontura e quedas. As pessoas maduras que têm tais efeitos colaterais devem discuti-los com seu médico.

Muitas drogas usadas geralmente têm efeitos anticolinérgicos.

Estes fármacos incluem alguns antidepressivos (amitriptilina e imipramina), muitos anti-histamínicos (tais como difenidramina, contidos em auxiliares do sono e antialérgicos) e muitos antipsicóticos (como clorpromazina e clozapina ).

As pessoas maduras, particularmente aquelas com deficiência de memória, são particularmente suscetíveis aos efeitos anticolinérgicos, que incluem confusão, visão turva, prisão de ventre, boca seca e dificuldade para urinar. Alguns efeitos anticolinérgicos, como redução do tremor (como no tratamento da doença de Parkinson) e redução de náuseas, são desejáveis, mas a maioria não.

Uma droga pode ter um efeito colateral porque interage com

– Um distúrbio, sintoma ou condição diferente daquela para a qual o fármaco está sendo tomado (interação droga-doença)

– Outra droga (interação droga-droga)

– Alimentos (interação droga-alimento)

– Uma erva medicinal (interação medicamentosa com ervas medicinais)

As pessoas maduras tendem a ter mais doenças e tomar mais drogas do que as pessoas mais jovens, e devido a isso são mais prováveis ​​ter a interação droga-doença e droga-droga.

Pacientes, médicos e farmacêuticos podem tomar medidas para reduzir o risco de droga-doença e interações medicamentosas.

Como os medicamentos e as ervas medicinais podem interagir com outras drogas, as pessoas devem perguntar ao seu médico ou farmacêutico sobre a combinação do uso dessas drogas com medicamentos prescritos.

Não seguir as instruções de um médico para tomar um medicamento (chamado não cumprimento ou não-adesão) pode ser arriscado.

A idade mais avançada sozinha não faz com que as pessoas tenham menor probabilidade de tomar drogas como indicado. No entanto, até metade dos idosos não tomam drogas como prescrito.

Não tomar uma droga, tomar muito pouco, ou tomar muito, pode causar problemas.

Tomar menos de uma droga porque tem efeitos colaterais pode parecer razoável, mas as pessoas devem conversar com um médico antes de fazerem qualquer mudança na maneira como tomam uma droga.

Maximizar os benefícios e reduzir os riscos de tomar drogas

Pessoas maduras e as pessoas envolvidas com elas podem fazer muitas coisas para maximizar os benefícios e reduzir os riscos de tomar drogas.

Quaisquer questões ou problemas com um medicamento devem ser discutidos com um médico ou farmacêutico.

Tomar drogas como instruído e se comunicar com prestadores de cuidados de saúde é essencial para evitar problemas e promover a boa saúde.

1- Conheça as drogas e transtornos que estão sendo tratados:

– Mantenha uma lista de todas as drogas que estão sendo tomadas, incluindo medicamentos e suplementos, tais como vitaminas, minerais e ervas medicinais.

– Saiba por que cada droga é tomada e quais seus efeitos são supostos ser.

– Saiba quais os efeitos colaterais que cada droga pode ter e o que fazer se ocorrer um efeito colateral.

– Aprenda como tomar cada medicamento, incluindo o horário do dia em que deve ser tomado, se ele pode ser tomado com alimentos ou tomado ao mesmo tempo que outras drogas e quando parar de tomar o remédio.

– Saiba o que fazer se uma dose for perdida.

– Anote informações sobre como tomar o medicamento ou peça ao médico, enfermeiro ou farmacêutico para anotá-lo (porque essas informações podem ser facilmente esquecidas).

– Mantenha uma lista de todos os problemas de saude presentes.

2- Use drogas corretamente:

– Tome drogas como instruído.

– Use auxiliares de memória, como um organizador de medicação, para tomar remédios conforme as instruções.

– Antes de parar uma droga, consulte o médico sobre quaisquer problemas – por exemplo, se ocorrerem efeitos colaterais, se a droga não parece funcionar ou se a compra da droga é onerosa.

– Descarte qualquer medicamento não utilizado de uma prescrição anterior, a menos que um médico, enfermeiro ou farmacêutico lhe indique que não o faça.

– Ao descartar um medicamento, siga as instruções de eliminação no rótulo, leve os medicamentos a um centro de eliminação autorizado (possivelmente em uma farmácia ou local de aplicação da lei local).

– Não tome a droga de outra pessoa, mesmo se o problema dessa pessoa parecer semelhante.

– Verifique a data de validade dos medicamentos e não use o medicamento se este tiver expirado.

3- Trabalhe em estreita colaboração com o médico e farmacêutico:

– Receba todas as prescrições da mesma farmácia, preferencialmente aquela que fornece serviços abrangentes (incluindo a verificação de possíveis interações medicamentosas) e que mantém um perfil completo de medicamentos para cada pessoa.

– Leve todas as drogas que estão sendo utilizadas para consultas médicas, se solicitado a fazê-lo.

– Discuta periodicamente a lista de medicamentos que estão sendo tomados e a lista de transtornos com o médico, enfermeiro ou farmacêutico para se certificar de que os medicamentos estão corretos e devem ser continuados. Por exemplo, as pessoas podem testar-se dizendo ao seu médico como eles devem tomar todas as drogas e perguntando se o que eles disseram está correto.

– Revise a lista de medicamentos com o médico, enfermeiro ou farmacêutico toda vez que um medicamento for alterado (médicos e farmacêuticos podem verificar se há interações entre medicamentos).

– Certifique-se de que o médico e farmacêutico saiba sobre todos os medicamentos de venda livre e suplementos que estão sendo tomadas, incluindo vitaminas, minerais e ervas medicinais.

– Consulte o médico antes de tomar qualquer novo medicamento, incluindo medicamentos e suplementos.

– Informe ao médico ou farmacêutico quaisquer sintomas que possam estar relacionados com o uso de um medicamento (tais como sintomas novos ou inesperados).

– Se o horário de tomar drogas é muito complexo para seguir, pergunte ao médico sobre a simplificação.

– Se estiver se tratando com mais de 1 médico, certifique-se de que cada médico saiba de todas as drogas que estão sendo utilizadas.

– Peça ao farmacêutico para imprimir o rótulo em letras grandes e verifique se ele pode ser lido.

– Peça ao farmacêutico para embalar o medicamento em recipientes que são fáceis de segurar e abrir.

Lembrando-se de tomar medicamentos como prescrito

Para melhorar a utilização das drogas, as pessoas devem se lembrar não só de tomar seus medicamentos, mas também o horário certo e da maneira correta.

Quando vários medicamentos são tomados, o cronograma para tomá-los pode ser complexo.

Por exemplo, drogas podem ter que ser tomadas em momentos diferentes ao longo do dia para evitar interações.

Alguns medicamentos podem ter de ser tomados com alimentos. Outras drogas devem ser tomadas quando nenhum alimento está no estômago.

Quanto mais complexo for o cronograma, mais provável é que as pessoas cometam erros seguindo-o.

Por exemplo, os bisfosfonatos (como alendronato e risedronato), que são usados ​​para aumentar a densidade óssea, precisam ser tomados com o estômago vazio e com apenas água (pelo menos um copo cheio). Se estes medicamentos são tomados com outros líquidos ou alimentos, eles não são bem absorvidos e não funcionam eficazmente.

Se as pessoas maduras têm problemas de memória, seguir uma programação complexa é ainda mais difícil.

Essas pessoas, geralmente, precisam de ajuda, muitas vezes de membros da família.

O médico pode ser questionado sobre a simplificação do calendário.

Muitas vezes, as doses podem ser reprogramadas para tornar a administração dos medicamentos mais conveniente ou reduzir o número total de doses diárias.

Além disso, ao longo do tempo, alguns medicamentos podem não ser necessários por mais tempo e podem ser interrompidos.

Existem algumas maneiras que podem auxiliar as pessoas a lembrarem-se de tomar seus medicamentos como prescrito:

– Auxiliares de memória

– Recipientes de medicamentos

– Aplicativos para smartphones

– Auxiliares de memória

Os auxílios de memória podem ajudar as pessoas maduras a se lembrarem de tomar seus remédios.

Por exemplo, tomar um medicamento pode ser associado a uma tarefa diária específica, como comer uma refeição.

– Recipientes de medicamentos

Um farmacêutico pode fornecer recipientes que ajudam as pessoas a tomar drogas como instruído.

As doses diárias durante 1 semana ou 2 semanas podem ser embaladas em uma embalagem de plástico marcada com os dias ou com as horas do dia, para que as pessoas possam acompanhar as doses tomadas observando os espaços vazios.

Algumas farmácias podem embalar medicamentos em embalagens “blister”, de modo que a dose diária pode ser facilmente removido e mantido a par. No entanto, tal embalagem pode custar um pouco mais caro.

Estão disponíveis recipientes mais elaborados com um sistema informatizado de lembrete. Estes recipientes soam, piscam ou falam no tempo de dosagem.

– Aplicativos para smartphones (aplicativos para celular)

Aplicativos que ajudam as pessoas a gerenciar seus medicamentos podem ser baixados para vários smartphones e tablets.

Esses aplicativos podem ajudar pessoas maduras ou seus familiares a lembrarem-se de administrar os seus medicamentos no horário correto.

Muitos desses aplicativos incluem alertas de lembrete, que são enviados para o dispositivo.

Alguns desses aplicativos podem custar dinheiro.

 

Fonte:

http://www.merckmanuals.com/home/older-people’s-health-issues/aging-and-drugs/aging-and-drugs

Crédito da imagem:

http://br.freepik.com/fotos-gratis/desgracas-medicina_613766.htm

<a href=”http://www.freepik.com/free-photos-vectors/medico”>Médico fotografia created by Creativeart – Freepik.com</a>

Deixe seu recado

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *